Tutoriais

 
Aula 01 - Preparando seu Arduino para Gravar
Aula 02 - Programando Attiny85 ou Attiny45 com Arduino
Aula 03 - Programando o Attiny2313 com o Arduino
Aula 04 - Como Instalar drivers da USB do Arduino
Aula 05 - Usando o FTDI em um Projeto Próprio
Aula 06 - Bluetooth Shield TTL RS232 Serial
Aula 07 - Piscando um Led
Aula 08 - Wifi CC300 doc em PDF
Aula 09 - Como Instalar Bibliotecas para o Arduino IDE
Aula 10 - Desabilitando Assinatura de Drivers Windows 8
Aula 11 - Instalando o Driver USB para o CHIP CH340 ou 341

 

Aula 01 - Preparando seu Arduino para Gravar

Assim que estiver com o Arduino nas mãos é preciso seguir algumas etapas simples para tudo funcionar corretamente.

arduino-aula-zero-1

 

- O Arduino usa um programa para fazer as gravações dos códigos. Vai encontrá-lo para baixar neste link: BAIXAR IDE do Arduino.

Faça o download da versão compatível com seu PC. Se roda Windows, Linux ou, MAC. Perceba que ha versões de IDE anteriores a 1.0. É importante lembrar que muitas bibliotecas não rodam nesta versão pois modificações mais drásticas foram feitas. Pode ser preciso usar a 022 que esta compatível com códigos mais antigos. Mas é só uma questão de tempo para tudo ficar padrão no 1.0.

Bem...Feito isso, basta descompactar o arquivo ".zip" e imediatamente a interface de programação estará pronta para funcionar.

Clicando no ícone principal teremos a tela abaixo:



A versão 1.0 apresenta uma versão um pouco diferente mas todas as funcionalidades são iguais. Temos os ícones principais:

 

 Verify: Para Verificar se o programa está sem erros.

 Upload: Carrega o programa no Microcontrolador. (Grava codigo no Arduino)

 Serial Monitor: Ativa a leitura da porta serial. (Mostra valores numa tela especial)


- Agora você precisa preparar a sua IDE para a gravação do arduino. Como existem vários modelos de arduino você deve informar qual modelo está usando. Para isso basta ir em Board depois escolher a placa.

- Outra configuração a ser feita é informar a COM (porta onde o cabo USB esta entrando no seu PC).

Para isso vá em: Serial Port e escolha a que é referente ao seu arduino. Note que se os drives do arduino não foram instalados automaticamente pelo PC não aparecera a COM do Arduino. Para saber se é a COM do arduino basta retirar o cabo USB e a opção COM deve sumir.

Para saber como gravar os drives do arduino veja aqui: DOC: COMO INTALAR os DRIVES

Então ao colar um código tudo deve ficar assim:

Após compilar (clicando em Upload ou Verify )  uma informação aparece mostrando o tamanho do código e o espaço disponível para mais código.

Outra dica importante é que ao clicar em upload e o código for gravado no arduino os LEDs RX e TX que se encontram na placa arduino deverão piscar informando que o código está sendo carregado. Obviamente o cabo USB deve estar ligado a placa Arduino e ao PC.


 

Perfeito. Passando por estas etapas voce esta pronto para iniciar seu primeiro projeto.

 

Aula 02 - Programando Attiny85 ou Attiny45 com Arduino

Já imaginou programar um Chip bem pequeno como os 555 que possuem 8pinos? Seria possível levar as facilidades do Arduino e tecnologia AVR para os projetos extremamente pequenos e ainda reduzir ao máximo o custo. A Proposta então é usar o seu Arduino como uma ferramenta de gravação dos Attiny45 ou Attiny85. Comecemos pelo vídeo...

 

É possível montar na protoboard ou mesmo montar a sua propria sheild. Nesta aula aprenderemos como montar na matriz de contatos, como programar e veremos um modelo de shield.

Vamos mergulhar no mundo do Attiny?

Inicialmente temos um chip chamado Attiny com 8 pinos e a primeira pergunta:

Ele é igual ao Arduino? 

Não exatamente. O Arduino é uma plataforma e possui um microcontrolador diferente mas todos são do mesmo fabricante: a ATMEL. Outra diferença é que o Arduino precisa de bootloader, mas Attiny não usa boot.

Para fins práticos podemos imaginar o "tiny" como um Arduininho, pois possui um menor número de pinos I/O, Analógicos e também menor memória.

Mas com este é possível montar robôs, monitorar sensores de temperatura, escrever num display de LCD, 7seg, dentre outras aplicações que são comuns para o Arduino padrão. 

Para esse projeto iremos usar:

  • 1x Arduino qualquer modelo.
  • 1x Attiny85 ou Attiny45 (O modelo "Attiny85″ possui 8K de memória flash para código e o "45″ 4K)
  • 1x Resistor 220R( pode ser entre 220R e 1K)
  • 1x LED
  • 1x Capacitor de 10uF/16V
  • 1x botão
  • 2x barra de pinos Femea ou Macho com 4x pontos.
  • Fios
  • Matriz de contatos

Na sequência, devemos baixar os arquivos e códigos que serão usados ao longo da aula.

Vamos dar uma olhada no Datasheet e ver as configurações de cada pino: Datasheet do Attiny.

Simplificando... Os dados que são minimamente necessários para montar e programar podem ser vistos nas imagens abaixo:

Então temos:

  • 3x Portas analógicas.
  • 2x Portas I/O com PWM
  • 1x Pino de Reset
  • 2x Pinos de alimentação (+Vcc, -GND )
  • Lembrando: postas analógicas podem ser lidas como portas I/O então na prática têm 5x portas de I/O.

Sumário da Instalação, se precisar, siga o Passo a Passo nos tópicos descritos nas etapas mais abaixo:

  • Download: Attiny texto de configuração
  • Localize a pasta sketchbook Arduino (você pode encontrar a sua localização no diálogo de preferências no software do Arduino)
  • Criar uma nova sub-pasta chamada "hardware" na pasta sketchbook (é possível que ela já exista).
  • Copie a pasta Attiny de dentro do zip. Para a pasta de hardware. Você deve ter agora, uma estrutura de pastas como segue:

Documentos -> Arduino -> hardware -> attiny

Neste diretório, você colocará os arquivos do zip, incluindo o boards.txt e possivelmente encontrará uma outra pasta chamada de "variantes".

  • Reinicie o ambiente de desenvolvimento IDE do Arduino.
  • Você deve encontrar várias opções Attiny no menu Ferramentas> Board.

 

Passo a Passo

Etapa 1 - Inicialmente precisamos preparar a interface para receber esse novo modelo de micro controlador.

Vamos usar a interface IDE : se precisar, BAIXAR AQUI.

Se tudo ocorrer corretamente ao abrir a IDE do Arduino você terá novas opções de micros controladores quando for a TOOLs -> BOARD

Caso a IDE já esteja aberta você deve fechar e reinicializá-la para aparecer a atualização.

Etapa 2 - Agora vamos tornar o Arduino um gravador de Attiny.

É preciso gravar um código que fará essa tarefa de comunicação e gravação dos dados. Este já está disponível na IDE do Arduino.

Veja como fazer:

Abra o código ArduinoISP

Escolha o modelo da placa Arduino que está usando:

Faça o mesmo com a COM(porta usb).

Faça a gravação do código na sua placa Arduino.

Essa etapa deve ser feita sem as conexões com o circuito que será apresentado ao longo da aula.

Etapa 3 – Agora com seu código que permite a gravação do Attiny monte o circuito abaixo numa protoboard.

Veja como fica:

Ao fim da montagem vamos gravar um código básico e verificar o funcionamento de tudo:

Atenção: Não existe pino de número "13″ no Attiny então é preciso mudar.

Vamos adotar o pino de número "0″ para este teste.

Então basta mudar onde tem "13″ para "0″ no código do Blink.

Tudo deve ficar como na imagem abaixo:

Faça a gravação do código clicando em Upload.

OBS: Caso você não tenha preparado o Arduino como interface de gravação, o código não será gravado no Attiny.

A presença do capacitor de 10uF-16V é permitir que o código seja gravado no Attiny. Assim com presença do capacitor no pino de RESET do Arduino não será possível a gravação de códigos no Arduino. Basta retirar o fio do Reset que tudo retorna ao normal.

Após a gravação uma mensagem em vermelho pode aparecer na IDE do Arduino mas isso não afeta na gravação.

Feito os testes e após tudo estar "supimpa" você pode montar uma sheild para gravação de Attiny.

Com ajuda de um saca Chip você pode retirar o "Attiny" do socket e por outros e ir gravando, ou mesmo usar a interface para prototipagem.

É possível usar uma placa de fácil prototipagem ou fazer num software de CAD como o Proteus e corroer a trilha. Veja como pode ficar:

Funções que o Attiny suporta com o Arduino:

The following Arduino commands should be supported:

 

Aula 03 - Programando o Attiny2313 com o Arduino

O processador Attiny 2313 tem 20 pinos com 17 I/O, ele não tem um ADC (conversor analogico/digital). Ele pode ser configurado para rodar nas velocidades de 1 MHz até 8 MHz sem um oscilador externo. Vamos ao tutorial.

Carregue o arquivo de Configuração do IDE seguindo as mesmas orientações dadas para a configuração do Attiny 45 ou 85.

Faça o Download do arquivo de configuração aqui.

Conecte seu Arduino à ATtiny acordo com a imagem abaixo:

 


Lista das ligações ao Arduino:

Arduino ATtiny2313
13 19 PB7/SCK
12 18 PB6/MISO
11 17 PB5/MOSI
10 1 PA2/Reset
5v 20 VCC
GND 10 GND

 

Carregar o ArduinoISP para o Arduino não ligar o capacitor ainda. Mais informações sobre este passo.

Nota: o ArduinoISP tem alguns problemas na ver. 1,00, Veja esta correção para uma solução.

Conecte um capacitor mF 10 de reinicialização para a terra sobre o Arduino (lado negativo para o terra). Se você estiver usando um Duemilanove, um resistor de 120 ohm deve ser conectado ao Vcc.

Selecionar a placa de ATtiny2313 @ 1MHZ.

Carregar o esboço Blink.

Conecte um LED com resitor ao pino PB4

Agora você deve ter um Led piscando em seu ATtiny 2313

Observe o padrão de fábrica é de 1MHz, se você deseja executar em 8MHz: é necessário alterar o bootloader como segue:

  • Selecione placa -> ATtiny2313 @ 8MHZ
  • Selecione -> bootloader Gravar
  • Selecionar -> w / arduino como ISP

Quando você usá-lo em seu projeto, vai ser importante conectar um capacitor uF 0,1 entre o VCC e GND, tão perto do processador quanto possível e um resistor de 10 ohms K de RESET para VCC.

Ex. pino 13 no exemplo de piscar é o pino físico B4

Consulte a folha de cheat

# define PIN_D0 (0)
# define PIN_D1 (1)
# define PIN_A1 (2)
# define PIN_A0 (3)
# define PIN_D2 (4)
# define PIN_D3 (5)
# define PIN_D4 (6)
# define PIN_D5 (7)
# define PIN_D6 (8)
# define PIN_B0 (9)
# define PIN_B1 (10)
# define PIN_B2 (11)
# define PIN_B3 (12)
# define PIN_B4 (13)
# define PIN_B5 (14)
# define PIN_B6 (15)
# define PIN_B7 (16)
# define PIN_A2 (17) / * Reset * /

Aula 04 - Como Instalar drivers da USB do Arduino – FTDI Arduino drivers solution

Você acabou de adquirir sua placa Arduino. Conectou o cabo USB e Opa!!! Nada aconteceu?

Ou Pior! O Windows não reconhece sua placa! Vejamos como corrigir esse problema...


Se você está nessa situação fique tranquilo, pois está no lugar certo! 

É comum o Windows não reconhecer automaticamente o FTDI que vem no Arduino. E é preciso fazer manualmente essa tarefa.

Este tutorial serve também para o modelo UNO, mesmo não tendo o FTDI.

Basta seguir os passos que tudo se resolve. Vamos lá?

Vou usar para esses passos o Arduino Mega, apenas para fins ilustrativos, mas poderia ser qualquer outro modelo.

O comentado FTDI é esse da foto acima, já nos modelos UNO, temos um microcontrolador da Atmel 8U2 ou 16U2 para essas mesma função.

Instalação do Arduino no PC

Primeiro passo é conectar o Cabo USB ao Arduino e ao PC.

Caso a instalação do Driver tenha caminhado automaticamente em seu PC, ótimo, você não tem mais nada a FAZER!!

Parabéns!!

Caso contrário, siga os próximos passos.

Troubleshooting - Como fazer a instalação do Zero?

Agora é preciso chegar ao "Gerenciador de dispositivos do Windows".

Isso pode ser feito rapidamente pelo Menu Iniciar e digitando o nome: Gerenciador de Dispositivos.

Caso não tenha encontrado por esse caminho você pode encontrar pelo Painel de Controle:

Lá chegando siga as setas vermelhas das ilustrações.

Após chegar ao Gerenciador de Dispositivos...

A COM(USB) do seu Arduino deve estar lá.

Observe que se você retirar o cabo USB essa porta é desativada (desaparece).

Então, clicar com o botão direito do mouse.

Agora é preciso encontrar a pasta que estão os drives. Quando você baixou a IDE de programação do Arduino baixou também esses drives. Eles estão lá numa pasta "drivers".

Selecione a pasta onde está os drives e depois vá em "OK".

Observe que o ícone da porta muda e uma confirmação deve aparecer informando que tudo ocorreu corretamente.

 

 

Bem é isso... Agora já pode "mandar bala" nos seus projetos com Arduino. Divirtam-se!

Caso não tenha obtido sucesso tente outra vez.

 

Aula 05 - Usando o FTDI em um Projeto Próprio

Este post serve para mostrar aos navegantes como utilizar o FTDI (conversor USB TTL) junto com o seu Atmega328p-pu standalone.

Vamos ao projeto.

O conversor serve para mudar o tipo de sinal que o PC envia e o que o microcontrolador deve receber para operar, não há muita dificuldade na conexão, apenas deve-se tomar cuidado para conectar corretamente os pinos.

Os pinos do conversor são mostrados a seguir:

São 6 pinos para conexão, mas para programar o Atmega em modo Standalone você precisa utilizar apenas 4, sendo eles:

  • +5V – Este pino você liga nos terminais do seu Atmega que são alimentados pelo "positivo".
  • GND – Este pino você conecta aos terminais do seu Atmega que são alimentados pelo "negativo".
  • RXD – Este pino deve ser conectado ao pino TX do Atmega (pino 3 – veja imagem a baixo);
  • TXD – Este pino você conecta ao pino RX do Atmega (pino 2 – veja imagem a baixo);

Após fazer a conexão dos pinos você deve instalar o drive e instale-o em seu computador, depois disso pode conectar o conversor USB TTL em uma porta USB (eu faço isso através de um cabo USB para ter mais liberdade para poder mover a protoboard com tudo junto pela mesa – fica a dica!).

Depois que tudo estiver instalado você precisa enviar o código para seu Atmega, para isso abra o ambiente de programação do arduino e selecione o exemplo "blink" para testar.

Pressione o botão reset da sua placa standalone e segure, depois clique no botão "enviar" da interface de programação do arduino e aguarde até que apareça na parte inferior uma tela como a mostrada a baixo:

Assim que aparecer na parte preta o texto em branco que diz o tamanho do arquivo significa que seu código ja foi compilado e o programa começará o upload propriamente dito, nesse momento você deve soltar o botão reset e aguardar a mensagem de upload concluído. Pronto! seu Atmega rodando em modo standalone pode ser agora programado através da porta USB como se você estivesse utilizando uma placa arduino diretamente na USB.

Aula 06 - Bluetooth Shield TTL RS232 Serial

Este pequeno módulo transmissor permite que o dispositivo possa enviar ou receber os dados através de tecnologia Bluetooth sem a necessidade do cabo serial para computador.

Vamos ao projeto.

É fácil de usar e totalmente encapsulado.

Funciona com todos os adaptadores Bluetooth USB.

Descrição:

BTM-5 é um módulo bluetooth CLASS 2 baseado no chipset BlueCore4-External. Este módulo suporta operar como MASTER ou como SLAVE, bastando apenas configura-lo por comandos AT (conforme manual).

É possível fazer uma comunicação entre dois módulos bluetooth (sendo um MASTER e o outro SLAVE) e também se comunicar entre um módulo e um notebook, PDA, celular, etc.

Para usa-lo, basta liga-lo ao microcontrolador nos PINOS de TX e RX, e então fazer uma comunicação serial normalmente. Conta com:

  • Antena embutida.
  • Alimentação: 3.6V-6V DC.
  • Taxa de transmissão padrão: 9600,8,1, n.
  • Senha: 1234.
  • Cobertura de até 10m.

O módulo vem com configurações pré-estabelecidas de fábrica, como velocidade de comunicação, nome do dispositivo, senha de pareamento, e etc. que podem ser alteradas via comandos AT por meio de comunicação serial com o computador.

Importante:

  • Essa configuração NÃO é possível via comunicação Bluetooth. Deve ser feita necessariamente por meio de cabos de conexão (fisicamente). Nesse projeto, para fazer a conexão serial entre o computador e o módulo bluetooth , será utilizado o próprio Arduino como conversor USB-TTL.
  • Os comandos AT de configuração, ao serem enviados devem ser seguidos obrigatoriamente por um (Carrige Return) e um (Line Feed). Todos esses comandos ao serem recebidos com sucesso pelo módulo, são respondidos com uma mensagem de confirmação "OK".
  • O Vcc do módulo e as entradas lógicas funcionam em 3.3 Volts, portanto ligue o Vcc do módulo na saida 3.3V do Arduino e o RX do módulo deverá ser ligado ao TX do Arduino por intemédio de um divisor de tensão que irá diminuir a tensão lógica (todos esses detalhes de ligação estão devidamente exemplificados no artigo).

Módulo:

A comunicação bluetooth com esse módulo é bem simples pois nada mais é do que uma comunicação serial. Primeiramente será apresentada a montagem do harware para leitura de um sensor de temperatura LM35 via bluetooth.

Como no Fritzing (programa para fazer o desenho acima) não existe o módulo bluetooth, ele foi representado como apenas um conector onde suas ligações foram feitas respectivamente da esquerda para direita. Os pinos do conector da esquerda para a direita são: VCC, GND, RX, TX.

O pino MODE não será utilizado nesse projeto pois como padrão ele esta baixo (nivel lógico LOW) então o módulo funcionará normal e não em modo de configuração AT.

A imagem abaixo mostra o circuito real montado em uma protoboard.

O firmware a ser inserido no microcontrolador não poderia ser mais simples, pois é apenas um comando para escrever na porta serial que nesse caso é o módulo bluetooth.

 
  1. /*Firmware para fazer a leitura de um sensor de temperatura e a transmissão desse dado via Bluetooth utilizando o módulo BTM-5. Desenvolvido por: Allan Romanato

  2. Data: 31/05/2012

  3. */

  4. int sensor = 0;

  5. int leitura = 0;

  6. float temp = 0;

  7. void setup(){

  8. Serial.begin(38400); //Inicia Comunicação Serial

  9. }

  10. void loop(){

  11. leitura = analogRead(sensor);

  12. temp = (leitura * 0.00488);

  13. temp = temp *100;

  14. Serial.print("Temperatura lida: "); //Envia via Bluetooth

  15. Serial.println(temp);

  16. delay(5000);

  17. }

  18.  

O resultado da execução é mostrado a seguir em uma tela do terminal serial Docklight (poderia ser também vistos em um hyperterminal do Windows).

Aproveitando a deixa, agora será explicado como acionar um LED através de um comando enviado ao Arduino via bluetooth. Usaremos o LED padrão do Arduino que é ligado ao pino 13. Nesse exemplo será colocado um led extra só para melhor visualização.

O LED extra deverá ser ligado a porta digital 13 do arduino por intermédio de um resistor de 330 ou 470 Ohms.

O que mudará um pouco nessa parte é que a porta serial deverá ser lida pelo Arduino e a informação recebida terá que ser interpretada pelo microcontrolador para depois o sinal ser enviado. No código a seguir será abordado leitura e escrita na serial (bluetooth).

 
  1. /*

  2. Firmware responsável por acender e apagar um led via Bluetooth.

  3. Data: 31/05/2012

  4. */

  5. char receive;

  6. int pin = 13;

  7. void setup(){

  8. pinMode(pin, OUTPUT);

  9. Serial.begin(38400); //Inicia Comunicação Serial

  10. }

  11. void loop(){

  12. if (Serial.available() > 0){ //Checa de a porta serial tem info.

  13. receive = Serial.read(); //Faz a leitura da Serial.

  14. if(receive == 'l'){

  15. digitalWrite(pin, HIGH);

  16. Serial.println("Led Ligado");

  17. }

  18. else if(receive == 'd'){

  19. digitalWrite(pin, LOW);

  20. Serial.println("Led Desligado");

  21. }

  22. }

  23. delay(500); //Necessario para sincronizar.

  24. }

  25.  

Os resultados da execução do código acima são mostradas nas figuras a seguir:

Comando para ligar o LED.

Após o comando de ligar o LED

Comando para desligar o LED.

Após o comando de desligar o LED

 

Com a leitura do artigo pode-se concluir que quando utilizamos o Módulo Bluetooth BTM5 a comunicação sem fio se torna simples, pois é só enviar comandos para a porta serial que eles são interpretados automaticamente.

 

Aula 07 - Piscando um Led

O iniciante precisa aprender o Bê-a-Bá para poder fazer suas peripécias. Pois bem senhores... apresento o tutorial mais básico para os aventureiros que queiram desbravar o mundo do Arduino: Piscando um Led. Esse projeto, baseado no Blink Led Arduino Tutorial, é o ideal para começar. Está pronto para "picar a mula"?

 

1 - O básico da programação:

Vamos dar uma olhada nessa "belezura"? Note os dois blocos distintos de instruções entre chaves:

 
  1.  
  2. void setup() {
  3. // Escreva o código que será executado apenas uma vez.

}

void loop() {
// Escreva o código que será executado infinitas vezes

}

A função setup() é chamada quando o código(sketch) é executado.

Use-a para:

  • Iniciar variáveis.
  • O modo como os pinos devem operar: entrada(INPUT) ou saída(OUTPUT)
  • Bibliotecas.
  • Cabeçalhos

Mas atenção! Tudo o que estiver no setup() será executado apenas uma vez imediatamente após o microcontrolador ser energizado.

Caso o botão de reset que se encontra na placa do arduino for pressionada ou a energia cair o código será reinicializado e nessa condição especial o setup() novamente é executado.

A função loop() tem um propósito fundamental repetir infinitamente o que está escrito. Bem... mas qual a finalidade disso?

Ao repetir a mesma função o microntrolador nunca para de funcionar. Imagine como seria se ao digitar uma letra seu editor de texto parasse de funcionar e fosse preciso abri-lo novamente para escrever a outra letras da palavra? Ou após um carro passar num semáforo de trânsito as luzes não brilharem mais?

Basicamente o loop() será o seu escravo e o setup() dirá como o escravo se comporta.

Usa-se: // (duas barras invertidas) para fazer comentários na linha de código. O objetivo é deixar o mais claro possível para que terceiros possam entender.

Tudo que é deixado como comentário será descartado no momento da gravação no microcontrolador.

 

2 - O Primeiro Projeto com seu Arduino

Para este projeto será preciso um LED , um resistor e fios e uma matriz de contatos:

Aprendendo um pouco sobre os componentes:

O Led é um componente polarizado e deve ser corretamente conectado. Perceba que o polo positivo possui uma perna maior.
Alguns Leds apresentam o polo negativo com um chanfro(parte ligeiramente plana) no seu encapsulamento.
Temos no Arduino:

  • VCC(+)
  • GND ou Ground como (-).

O LED é um diodo emissor de luz e ao alimenta-lo corretamente, permite o fluxo de energia apenas em um sentido.

O resistor é um componente que oferece resistência a passagem da energia elétrica. Ao combina-lo com outros componente pode-se fornecer a energia correta para alimentar componentes. O filamento de tungstênio das lâmpadas incandescentes é uma resistência que transforma grande parte da energia que flui por ele em energia térmica e luminosa. As faixas de cores determinam quanto é maior essa resistência.

A matriz de contatos possui apenas pontos interligados num sentido vertical. O que permite combinar e interligar os componetes rapidamente.

Veja na imagem abaixo duas fileiras independentes("A" e "B") com seus respectivos pontos interligados.

Os fios: existem modelos de fios que permitem uma fácil conexão. Dê preferência para estes modelos, pois vão garantir ligações seguras e a rapidez na montagem e manutenção do circuito.

2.1 - A montagem do Projeto:

Agora que está munido destes componetes e de como eles operam monte o circuito abaixo:
Valores de resistores entre 220R e 10k podem ser usados.

Após a montagem copie o código abaixo e cole na interface de programação do arduino e faça o upload, após alguns segundos ele executará automaticamente:

void setup() {

pinMode(12, OUTPUT); //Declara que o pino 12 do arduino é de Saída. Vai mandar dados, energia...
}

void loop() {

digitalWrite(12, HIGH); // Diz que o pino 12 do arduino está Ligado. Logo LED ON
delay(1000); // Espera por 1s

digitalWrite(12, LOW); // Diz que o pino 12 do arduino está Desligado. Logo: LED OFF
delay(1000); // Espera por 1s
}

Comentando o código:

Este é o código chamado Blink. Nele temos declarado no setup() que usaremos o pino 12 do Arduino e este não fará leitura de dados mas enviará por isso Saída(OUTPUT).

Temos no loop() duas tarefas sendo executadas:

  • digitalWrite(12,HIGH); diz que o pino 12 é o polo + que alimenta o LED. Logo há um polo(+) e outro (-) e o Led liga pois é possível fluir a energia.
  • digitalWrite(12,LOW); diz que o pino 12 é o pólo - logo não há fluxo de energia com dois polos(-) e o LED fica desligado.
  • delay(1000); esté entra na brincadeira para dizer: OPA! Calma ai... espere um pouco. E para cada "1000" temos 1s, logo se tivessimos 5000 teríamos um atraso de 5s.

Então se temos o LED ligado por 1s e desligado por 1s ele liga e desliga muito rápido. Como essa informação está no loop() que executa infinitas vezes teremos o LED piscando o tempo todo.

 

3-Modificando o Código:

Após fixar bem os conceitos elucidados vamos modificar o código e ver o que acontece.

M1-Execute o código:

 
  1. void setup() {

pinMode(12, OUTPUT); //Declara que o pino 12 do arduino é de Saída. Vai mandar dados, energia...
}

void loop() {

digitalWrite(12, HIGH); // Diz que o pino 12 do arduino está Ligado. Logo LED ON
delay(100); // Espera por 1s

digitalWrite(12, LOW); // Diz que o pino 12 do arduino está Desligado. Logo: LED OFF
delay(100); // Espera por 1s
}

Comentário sobre o código:
Observe que o valor do delay() foi modificado de (1000) para (100). O que aconteceria se fosse (10) ou qualquer outro valor?
Experimente modificar e perceba que ligando e desligando algo temos comportamentos de piscar diferentes.

M2-Execute esse outro código:

/*
Tutorial desenvolvido por Gamesh_ com base no Exemplo de domínio público: Blink
http://brasilrobotics.blogspot.com/
*/
void setup() {

pinMode(12, OUTPUT); //Declara que o pino 12 do arduino é de Saída. Vai mandar dados, energia...
}

void loop() {

digitalWrite(12, HIGH); // Diz que o pino 12 do arduino está Ligado. Logo LED ON
delay(random(100)); // Espera por 1s

digitalWrite(12, LOW); // Diz que o pino 12 do arduino está Desligado. Logo: LED OFF
delay(random(100)); // Espera por 1s
}

Comentário sobre o código:

Substituímos no delay() o valor de (1000) por: random(100). O que queremos com isso?
Já ouviu falar em números randômicos? Aleatórios? O random() gera números aleatórios. Mas ao inserir um valor como 100 em random() estamos informando que o número deve variar entre 0 e 99 ou seja: entre 0 e (100-1).
Logo: temos um comportamento inesperado no piscar do LED, o que gera um efeito interessante.

Experimente o seguinte:

  • Pegue alguns centímetros de um papel branco. Papel higiênico é excelente.
  • Amassar bem e posicionar sobre o LED.
  • Mude a cor do LED para testar os efeitos.

 

 

Aula 09 Como Instalar Bibliotecas no Arduino IDE 

 

 

 
Já tentou executar algum código para Arduino que encontrou na net e um erro informando que a "Library" não foi identificada?
É preciso adicionar essas bibliotecas que são extra.
Vou mostrar como adicioná-las na IDE do Arduino e permitir o seu uso.
 

As bibliotecas tem terminação ".h" e tem com tarefa informar dados e permitir uso de funções.
Basicamente, na linguagem de programação é possível criar  várias páginas com códigos "ocultos" que podem ser usados por outros programas. Dessa forma o desenvolvimento é facilitado pelo compartilhamento de códigos.


Vou usar como exemplo a biblioteca MsTimer2.
Num código teremos: #include  MsTimer2  que informa: "Incluir a biblioteca Mstimer2 nesse código"
Veja na imagem:


 
Clicar na imagem para ampliar.

Bem.. para usá-la é preciso adicionar no banco de dados. E como adicionar?
Inicialmente temos uma biblioteca que desejamos usar. 
Ela já está pronta, mas é preciso baixar no computador e colocar na pasta correta da IDE do Arduino, permitindo ser acessada.
Veja a foto abaixo onde encontrei essa biblioteca.



 
 
 É possível notar o arquivo pra download que está compactado (.zip).

 
Clique no link e inicie o download. 
 
Escolha uma pasta para salvar esse arquivo.


Após baixar. Clicar com botão direito e descompactar o arquivo.
Caso não tenha essa opção você precisará de um programa como o Winrar ou Winzip para essa tarefa.





 
Assim que descompactar, uma pasta surgirá referente a biblioteca desejada.
Neste caso a MsTimer2 
 
 
 
Vamos então para a pasta onde o "Arduino se encontra" que você instalou para usar a IDE(interface de desenvolvimento). Procure no seu PC.
  Estou usando a IDE Versão 0022 como pode notar.
 Observe a pasta: libraries. É nesta que o arquivo descompactado deve ser posicionado. 

 
Transfira a pasta MsTimer2 para a pasta: libraries

Veja como fica:

Agora execute a IDE do arduino para conferir se deu tudo certo.

 
Siga as setas e observe que a biblioteca foi adicionada.

 
Agora você está pronto para usar as funções desta biblioteca ou de qualquer outra que desejar.

 

​​Aula 10 - Desabilitando Assinatura de Drivers Windows 8

 

 

Assim como no Windows Vista e 7 as edições de 64 bits requerem drivers assinados digitalmente. O problema é que muitos dispositivos e periféricos são fornecidos com seus drivers de instalação como webcams, impressoras mais antigas, tablets e canetas para desenhos etc. Ao instalar tal dispositivo no Windows 8.x é mostrada a impossibilidade por estes não serem assinados digitalmente. Hoje, iremos mostrar como instalá-los de qualquer maneira no Windows 8 & Windows 8.1.


Geralmente isso acontece porque a desenvolvedora/fabricante dos drives e periféricos não pagam "Royalties" à Microsoft. Na teoria um driver não assinado não influencia em nada a compatibilidade entre o sistema operacional e periféricos. Já os drivers assinados digitalmente incluem uma impressão digital eletrônica que indica que o driver da empresa foi "produzido/licenciado por", mais ou menos como uma roupa de marca por exemplo.

Como desabilitar a verificação de assinatura de driver do Windows 8.x 64 bits

Se preferir pressione a combinação de teclas Win + C para abrir a "Charms Bar", em seguida, clique no botão Configurações.

Quando o Painel de Controle é aberto, mude para a seção "Atualização e recuperação" e em seguida, clique na opção de recuperação, ao lado esquerdo. Uma vez selecionado, você verá a seção de Inicialização avançada aparecer no lado direito. Então clique sobre o botão "Reiniciar agora".

 

Quando o computador for reiniciado selecione a opção "Solução de Problemas".

 

 

Em seguida, vá para as opções avançadas escolhendo a opção "Configurações de inicialização".

 

 

Por estarmos modificando as definições de configuração em tempo de boot, você terá que reiniciar o computador pela última vez.

 

 

Finalmente, será dada uma lista de configurações de inicialização que podemos alterar. O que estamos procurando é "Desabilitar imposição da assinatura de driver". – cada opção do menu é uma tecla "F" diferente, para escolher a configuração que desabilita assinaturas de drivers no Windows 8 & 8.1 você terá que pressionar a tecla F7.

 

Seu PC irá reiniciar pela última vez e você será capaz de instalar drivers não assinados de impressoras e outros periféricos sem qualquer mensagem de erro no Windows 8.x de 64bits.

 

​​Aula 11 -  Instalando o Driver USB para o CHIP CH340 ou 341

 

Passo a passo para instalação Driver USB FTDI ou CH34XG do Arduino no seu Computador (via Windows):

O Arduino foi construído originalmente para se comunicar de forma serial através de seus pinos digitais D0 (RX) e D1 (TX), que ao serem conectados a um computador através de um cabo USB, permite a transferência de dados pela chamada interface UART (TTL), mesmo enquanto trabalha em outras tarefas, desde que haja espaço disponível no buffer serial de 64 byte. Assim, no Arduino existe uma parte do hardware especifica para a conversão Serial/USB. Essa conversão é realizada por um chip denominado FTDI (Interface USB-Serial TTL).

 

 

Caso você tenha alguma dificuldade em fazer seu Arduino ser reconhecido automaticamente pelo driver já pré- instalado no seu Windows, sugerimos seguir os passos abaixo exatamente na mesma sequência que forem apresentados, pois caso contrário correrá o risco de não funcionar:

 

  1. Baixar o Driver FTDI corrigido na aba Drives do link a seguir e descompactá-lo na pasta Driver do Arduino: 
    Driver para chip compatível com FTDI_X86 Modificado
    Driver para chip CH34X

       

 

 

  1. Plugar o cabo USB no Arduino e conectar no seu computador;

 

  1. Abrir o Gerenciador de Dispositivos. Para isso clicar no botão Iniciar, clicar em Painel de Controle, clicar em Sistema e Segurança e, em Sistema, clicar em Gerenciador de Dispositivos. É necessário ter permissão de administrador. Se você for solicitado a informar uma senha de administrador ou sua confirmação, digite a senha ou forneça a confirmação.

 

 
  1. Caso você esteja utilizando o Windows 8 ou mais novo, você vai precisar desabilitar a verificação da assinatura do Driver, antes de atualiza-lo, para isso, siga as instruções deste tutorial complementar: Desabilitando Assinatura de Drivers Windows 8

 

  1. Ao abrir a janela do Gerenciador de Dispositivos, clicar com o botão direito do mouse em FT232R USB UART, selecionar “Atualizar Driver...”;

 

 

  1. Selecionar a opção: “Procurar software de driver no computador”;

 

 

  1. Clicar no botão “Procurar...” e indicar o caminho onde você descompactou o Driver FTDI corrigido, ou seja, na pasta Driver do seu Arduino;

 

  1. Por fim clicar no botão “Avançar” e se o Windows apresentar algum empecilho clicar na opção “Instalar este software de driver mesmo assim”;

 

  1. Caso tudo ocorra bem será apresentada a tela abaixo:

 

 

 

  1. Volte a abrir o Gerenciador de Dispositivos para verificar se uma porta COM foi criada para o seu Arduino Nano. Caso contrário repita os passos anteriores só que agora clicando com o botão direito do mouse em USB Serial Port e selecionar “Atualizar Driver...”;

 

  
  1. Verifique agora que no título da tela abaixo foi definido, para o caso do nosso exemplo, a porta COM6 para nosso Arduino;

 

 

  1. Pode fechar a tela anterior e voltar ao Gerenciado de Dispositivos, onde poderá ser confirmada a criação da porta COM6. É nessa porta que nosso Arduino Nano conseguirá se comunicar com a IDE do Arduino;

 

 

 

  1. Para testar vamos abrir a IDE (Interface de Desenvolvimento Integrada) do Arduino clicando no aplicativo “arduino.exe”;
     

 

  1. No menu da IDE selecione a opção “Ferramentas (Tools)”, “Placa (Board)” e escolha o tipo de Arduino que você está utilizando. No caso desse exemplo estamos utilizando o Arduino Nano com ATmega328;

 

 

 

  1. No menu da IDE selecione a opção “Ferramentas (Tools)”, “Porta Serial (Serial Port)” e defina qual porta

COM (Communication) o Arduino está utilizando. No caso desse exemplo foi definida a COM6;

 

 

  1. Como é só um teste então vamos abrir um dos programas de exemplo já existentes na IDE chamado Blink. Deve-se selecionar a opção “Exemplos (Examples)” no menu “Arquivo (Files)”, em seguida selecionar “Basics” e clicar no nome do programa “Blink”;

 

 

 

  1. Após abrir o programa Blink.ino deve-se carrega-lo no Arduino, pressionando o botão “Carregar (Upload)” logo abaixo da barra de menu. Aguarde até uma mensagem de concluído (Done) ser exibida na IDE. Aconselhamos a fazer uma leitura dos comentários inseridos em cada linha do programa, pois isso facilitará o seu entendimento de como o programa funciona.

 

 

  1. Após carregar o programa no Arduino o LED conectado de fábrica ao seu pino digital 13 irá piscar, ficando ora acesso por um segundo e ora apagado também por um segundo;
  1. A modificação do driver que disponibilizamos em nosso site Drivers e se faz necessária porque a empresa FTDI (Future Technology Devices International) responsável pela fabricação do chip de conversão serial assíncrona para USB  lançou atualizações de drivers capazes de reconhecer chips FTDIs não fabricados por eles, impossibilitando que várias placas, inclusive alguns Arduinos e outro produtos do mercado, não sejam reconhecidas pelo sistema operacional do seu computador (PC). E a maneira que a empresa FTDI vem conseguindo fazer isso é modificando alguns códigos que existem na comunicação de um dispositivo USB. São eles: o VID (vendor id) e o PID (product id). Esses códigos identificam o fabricante e o modelo do dispositivo e são comercializados pelo USB-IF (USB Implementor Forum), sendo também usados pelos sistemas operacionais para escolher o driver apropriado. Mas felizmente, existe uma maneira de reprogramar o valor do PID, como você pode acompanhar nos passos abaixo. E foi isso que fizemos no Driver FTDI corrigido que está disponível em nosso site: DRIVERS
     
  2. Opção Faça Você mesmo:
 
  • Baixar os drivers FTDI do site oficial: http://www.ftdichip.com/Drivers/VCP.htm;
  • No caso do Windows, a associação entre o VID/PID e o driver é feita através de um arquivo .INF. Então basta abrir esses arquivos .INF do arquivo que você baixou no passo anterior e substituir a sequencia numérica 6001 por 0000;
  • Conectar o seu dispositivo, no nosso caso o Arduino, e utilizar para instalação do seu dispositivo esse driver corrigido.
Pague com
  • MercadoPago
  • PagSeguro
  • Depósito Bancário
Selos
  • Site Seguro

Marta Verginia Arjona Corradin - EPP - CNPJ: 18.176.914/0001-73 © Todos os direitos reservados. 2017

Design por Integrando.se